•  07 nov 2016  •

Carta de um recém-nascido à sua mãe

Querida Mamãe,

Eu e você fomos um só por nove meses. Duas almas em uma só.

Sair deste abrigo úmido, quentinho e seguro para um mundo cheio de ar, temperaturas instáveis e pessoas não me deixam seguro. Preciso de você, Mamãe, bem pertinho. Do seu colo, do seu cheiro, das suas vibrações e da sua voz a cantarolar, como ouvia muito ainda na sua barriga. Um lembrete dos velhos tempos.

Continue Lendo >>

0 Comentários
Saúde e Bem Estar
•  29 jun 2015  •

17 coisas que toda Mãe de primeira viagem deve saber!

Oi mamães! O post de hoje é especialmente para você, mãe de primeira viagem!

Outro dia fiz um post sobre as 17 coisas que todo Pai de primeira viagem deve saber.

Hoje eu listei as 17 coisas que toda mãe de primeira viagem deve saber!

São tantas as mudanças que um bebê traz em nossas vidas, que por experiência própria, nada do que eu imaginava ser, era. Sabemos que a teoria é bem diferente da prática, e que sentimos sim, medos e ansiedades, afinal, aquela frase clichê “quando nasce um filho, nasce uma mãe” é bem verdadeira! Você não sabe o que te espera até viver aquilo, ouvir recém-mães falarem de suas rotinas depois do bebê parece fácil para quem ainda não está vivendo essas emoções. Nascemos junto com nossos filhos, nossas vidas agora giram em torno daquele serzinho indefeso, que só  precisa de muito amor e cuidados. Sua vida vai mudar, suas prioridades também! Mas posso dizer? Não há dadiva melhor na vida de uma mulher!

mae de primeira viagem

 

1 – Sua vida vai mudar

Essa aqui todo mundo sabe mais vale lembrar. Tomar aquele banho gostoso e demorado, lavar o cabelo com calma e deixar na hidratação? Não vai mais existir. Ler, assistir tv, dormir, usar o banheiro, vão virar itens de luxo. Não que será assim para sempre, na medida em que seu bebê for crescendo, as coisas vão ficando um pouco mais fáceis, mas ainda assim, fazer tudo com calma só em momentos raros (aproveite se isso acontecer!).

2 – Ninguém faz igual a nós

A gente sempre acha que ninguém fará como nós se tratando dos cuidados com nosso bebê, e você está certa! Por mais que tenhamos ajuda de nosso marido, nossas mães, sogras, amiga, tia, só confiamos em nós mesmas. Um erro? Talvez não, quem é que vai discutir com uma recém-mãe?

3 – A teoria é muito diferente da prática

Como já disse, na teoria é tudo lindo, mas na prática as coisas mudam. Não existe um manual de como ser mãe, só vivendo para saber.

4 – Recém-nascidos choram muito

Essa é a única forma que eles tem de se comunicar. Choram por frio, calor, fome, fralda suja, muito estimulo, pouco estimulo, sono… fique calma, a medida em que os dias vão passando, as coisas melhoram e você aprenderá a identificar o choro do seu (a) bebê.

5 – O sono dele é o seu também

Me lembro muito bem de como eu dormia junto com o Lorenzo. Ele dormia e eu dormia também. As vezes ficavam muitas coisas para fazer, mas eu não estava nem ai, queria descansar. Aproveite este momento para dormir também, cuidar de um recém-nascido não é fácil, amamentar na madrugada deixa a gente bem cansada.

6 – Amamentação pode gerar stress

Os primeiros dias não são fáceis. O leite pode demorar para “descer”, o bebê precisa aprender a “pegar” corretamente o bico do seio da mamãe, dói, machuca, ou pode ser, que nada disso aconteça e você poderá aproveitar melhor esse momento.

7 – Carinho e colo

Você não vai acostumar seu bebê recém-nascido no colo. Sempre que quiser o pegue no colo e dê carinho. As vezes o choro pode não ser por alguma necessidade fisiológica e sim por um aconchego e carinho.

8 – Existem sim, mães competitivas

Infelizmente. Não dê ouvidos. Você e o seu filho é o que interessa.

9 – Você é a melhor mãe que pode ser

Gente pra dar pitaco no seu jeito de fazer as coisas não vão faltar. Ouça os conselhos que você acha válido, os que não achar simplesmente ignore.

10 – O novo papai

As coisas não acontecem para os novos papais como acontecem para nós. Deixe que aos poucos ele vá se familiarizando com a rotina do bebê, é importante deixa-lo um tempo a sós com o recém-nascido, assim o vínculo entre pai e filho irá se formando.

11 -Você ficará em segundo plano por um tempo

Na correria do dia-a-dia é normal que a recém-mamãe passe o dia inteiro de pijama, cabelos amarrados, cheirando a leite. Normal, levamos um tempo para nos adaptar e conseguir um tempinho para nós.

12 – Pagamos a língua

Sabe tudo aquilo que você julgava e jurava que não ia  fazer quando tivesse um filho? Então, você vai fazer sim.

13 – Você se tornará uma especialista em cocô

Suas conversas irão girar em torno do “cocô” do seu filho. Qual a cor, consistência, quantas vezes ao dia etc. E com certeza, irá fazer como eu e tirar uma foto e enviar para a pediatra rs.

14 – Não duvide da sua intuição e do seu instinto materno

Mesmo as mães de primeira viagem tem seu instinto materno apurado. Tudo muda, seu sono ficará mais leve, seu corpo mais resistente ao cansaço e a dor. Seguir sua intuição ajudará nos cuidados com seu bebê, e seu vinculo com ele ficará cada vez maior.

15 – Vai sentir saudades da liberdade de antes

Mas ela vai embora no momento em que você olhar para aquele bebezinho tão lindo e tão amado. Isso é muito louco, não vou mentir que em alguns momentos tive pensamentos do tipo: O que eu fiz? E agora? Quero minha vida de volta! isso é totalmente normal e nos sentimos culpadas por estar pensando assim. Não é isso que nos transformará em péssimas mães, quem não tem telhado de vidro que atire a primeira pedra né?

16 – Vai se perguntar como conseguiu viver tanto tempo sem seu filho

Só quem é mãe sabe como é amar de verdade. Você pode até achar que já amou alguém com muita intensidade, verdadeiramente, mas espera só ter um filho. O amor é completamente diferente do que já havíamos sentido, é algo surreal. É por esse alguém, que você realmente dá a vida, que você vive.

17 – Pensamos que não daremos conta

Pode ter certeza que dará sim! Nos primeiros dias eu pensava muito nisso. As cólicas do Lorenzo me deixavam apavorada, e tudo parecia sair do meu controle. É muita coisa para pensar, fazer e acontecer, mas quando nos damos conta, vemos que tudo está saindo direitinho, que nosso jeitinho de mãe já se enraizou, e que aquele é nosso certo.

A maternidade não é fácil, temos dias de altos e baixos, choramos escondidas, ficamos cansadas e estressadas, passamos o dia com sono. No final das contas, abrimos mão de tudo, sem perder nada!

Super beijo!

0 Comentários
Gravidez
•  24 jun 2015  •

17 coisas que todo Pai de primeira viagem deve saber!

Oi Mamães! O post de hoje é sobre 17 coisas que todo pai de primeira viagem deve saber! A gente sempre faz posts para nós, mulheres, mamães e para nossos bebês, apesar deste ser o foco do blog, eles também fazem parte do mundo da maternidade não é mesmo? Assim como nós, eles também sentem medo do desconhecido, não sabem o que fazer nos primeiros dias do bebezinho em casa. Então papais de primeira viagem este post é especialmente para vocês!

papai de primeira viagem

1 – Durante a gravidez somos dominadas pelos hormônios

Meu marido sempre me dizia que eu estava louca, rs. Que brigava por tudo, que queria tudo na minha hora, que estava chata e sensível. Isso tudo é normal e nós mesmas não sabemos o que nos faz rir ou chorar. Mas há uma explicação simples para isso: Hormônios meu querido! Simplesmente hormônios!  Tente não discutir com ela, pense assim: Ela está grávida, e com grávidas não se discute!

2 – Se mostre interessado pelos assuntos do bebê

Durante toda a gestação ficamos ansiosas para deixar tudo certo para a chegada do bebê. Sentimos prazer de vê-los no ultrassom, de comprar roupinhas, escolher móveis para o quarto, os bichinhos da decoração. Tente acompanhá-la sempre que possível nessas saídas, ver nossos maridos empolgados e nos ajudando com essas tarefas nos traz conforto e admiração.

3 – Sua mulher será o centro das atenções durante a gravidez

É claro que todos irão querer fazer os gostos de sua mulher e mimá-la. Aproveite para entrar nessa e fazer agrados a ela (e também ajude-a a enfrentar os enjoos!)

4 – Quando o bebê nascer, ele será o centro das atenções

Os familiares ficarão tão felizes com a chegada do seu filho (a) que só terão olhos para ele. Fique feliz em ver tanto amor, carinho e atenção sendo dados a seu filho (a).

5 – Sua mulher o deixará de lado

Não por muito tempo, mas são muitas as novidades com a chegada de um recém-nascido. É natural que as atenções de sua mulher estejam voltadas somente para o bebê, não se sinta rejeitado e aproveite para compartilhar deste momento com sua nova família.

6 – Tenha paciência

Ainda temos uma revolução de hormônios em nosso corpo, o que poderá piorar com a amamentação. Paciência é a palavra chave! (veja o post sobre Blues Puerperal aqui)

7 – Ajude na organização da casa

Conselho de amiga hein!

8 – Escolha uma tarefa e pegue-a para você

Aqui em casa, o banho do Lorenzo é do meu marido. Sempre. Desde o início quem dá banho nele é meu marido. Isso é super importante para criar laços mais fortes entre vocês, e ainda por cima, sobra um tempinho pra mamãe ir no banheiro, tomar um banho, ou simplesmente relaxar um pouquinho no sofá!

9 – Você vai aprender tudo sobre bebês

Bebês arrotam, soltam pum, fazem xixi e cocô. Aprenda a colocar seu filho para arrotar e a trocar fraldas. Tenha ciência de que você vai (muitas vezes) ficar sujo de cocô. Mas tenho certeza que vai achar engraçado, principalmente na parte dos puns (homens adoram solta-los né?) rs.

10 – Você vai dormir pouco

Os 3 primeiros meses de um bebê em casa não são fáceis. Tudo é novidade, e até que vocês aprendam a identificar os choros dele serão muitas noites em claro e você precisará estar de pé cedinho, pois agora tem mais uma boquinha para alimentar né?! (aproveite e leia este post sobre como fazer o bebê dormir a noite inteira)

11 – O bebê irá preferir sua mulher por um bom tempo

Normal né, afinal, eles passam mais da maioria do tempo com nós. Aqui em casa o Lorenzo é um chicletinho comigo, o pai chama e ele desvia pra mim. Mas tenha calma, vai chegar a sua vez de ser o preferido, imagina quando ele te chamar para jogar bola ou quando ela chamar para brincar de casinha?

12 – Sua vida social nunca mais será a mesma

Melhor aceitar numa boa que nada mais será como antes. Não que vocês não terão mais vida social nunca mais, mas agora seu filho (a) é prioridade. Não dá mais para ir a baladas ou bares passar a noite. As viagens terão de se adequar à criança e não ela à viagem.

13 – Você vai aprender a cantar musiquinhas infantis

Sabe a Galinha Pintadinha? Então, você vai decorar as 4 temporadas e ainda vai cantar pra ele dormir ou no banho. Vai dormir com a musiquinha na cabeça e vai trabalhar cantarolando ela rs.

14 – Você vai aprender muita coisa

Todos os dias tem uma coisa nova para aprender. Você vai aprender a segurar um recém-nascido, a dar banho, trocar a fralda, colocar para arrotar, massagens para cólicas, colocar o bebê para dormir, cantar, contar histórinhas etc.

 15 – O sorriso no fim do dia cansativo

O seu cansaço, sua irritação no trabalho, será desarmado pelo lindo sorriso do seu filho quando você chegar em casa.

16 – Seja o melhor pai que você puder ser

Participe, ajude, cuide, esteja sempre por perto, um dia você será um herói para o seu filho. Existe coisa melhor neste mundo?

17 – Vida sexual

Depois do parto as coisas ficam um pouco difíceis para nós mulheres. Além de todo cansaço e noites mal dormidas, não estamos de bem com nosso corpo. É normal após o parto (óbvio que depois da quarentena) a mulher ainda não pensar em sexo. Isso não será assim para sempre, tenha calma, uma hora as coisas vão se encaixando.

Super Beijo!

3 Comentários
Gravidez
•  15 jun 2015  •

Cuidados com Recém-Nascido

Oi mamães!Hoje trago para vocês um post explicando os cuidados com recém-nascidos que devemos ter. A chegada de um bebê traz muitas mudanças e nos deixa com muitas dúvidas. Ao longo da minha gravidez, muitas vezes me peguei perguntando, quando o Lorenzo nascer, como vai ser? Será que vou saber cuidar dele? E se ele não parar de chorar, o que eu vou fazer? Na teoria tudo parece fácil, afinal é só um bebê que passa a maior parte do tempo dormindo ou mamando. Mas experimenta só a prática pra ver como é o dia a dia de um recém-nascido. São muitos os “contratempos” que enfrentamos, como cólicas, choros que parecem não ter fim. Por isso, listei abaixo alguns cuidados que se deve ter com um recém-nascido. Eu classifico como a fase mais “louca” de nossas vidas os 3 primeiros meses do bebê. É o tempo em que nossas vidas viram de cabeça para baixo, quando deixamos de cuidar de nós mesmas, são 3 meses de alegrias, tristezas, frustrações, desespero, amor e muito amor. Depois deste período as coisas vão se ajeitando. Pelo menos para mim tudo ficou mais fácil quando o Lorenzo fez 3 meses. As cólicas deram uma diminuída, ele passou a dormir mais e melhor, a rotina já se intensificava e eu tinha um pouco mais de tempo para mim. Ter um bebê em casa exige muito cuidado e dedicação dos pais. Espero que gostem do post!

cuidados com recem-nascido

 

1 – Porque o recém-nascido chora tanto?

O choro do recém-nascido é a única forma que ele tem de se comunicar. É com ele que o recém-nascido nos “avisa” que está com fome, com a fralda suja, com frio, com calor, com sono, posição desconfortável, muito estimulo, pouco estimulo, cansado e por aí vai. Vá eliminando as possibilidades, se ele acabou de mamar veja se não quer arrotar, se a fralda está suja etc. Lembre-se que essa é a única forma de expressão que eles têm.

2 – Os olhos

Os recém-nascidos tem os olhos inchados, isso é normal. Se os olhos estiverem com remela, limpe-as com um algodão umedecido em água fervida (deixe a água em temperatura morna) do canto do olho para fora.

3 – O umbigo

Você poderá passar um cotonete com álcool 70% no coto, em todas as trocas de fraldas e deixá-lo secar naturalmente até cair. Após ficar seco, você pode cobri-lo com a fralda, não coloque nada para “tampar” o coto.

4 – O banho

Dizem que não se pode dar banho no recém-nascido e lavar a cabecinha todos os dias, É MITO! Escolha um horário para dar banho no seu filho, uma vez escolhido o horário, esse terá que ser mantido todos os dias para se criar a rotina do banho. Não existe um horário certo, muitas mães preferem dar banho à noite, pois o banho acalma o bebê para dormir, (veja o post Sono do Bebê – Dormindo a Noite Toda aqui) além de poder contar com a ajuda do marido. Aqui em casa, até hoje, o banho quem dá é meu marido, é um momento para estreitar os laços afetivos entre eles, já que a maioria do tempo o Lorenzo fica comigo e meu marido só tem um tempinho para ficar com ele durante a semana, já que trabalha fora. O mais importante é checar a temperatura da água com a parte sensível do seu braço, ou com o punho. A temperatura ideal é entre 36 e 37°C.

5 – É normal chorar no banho

Sim, para acalmar seu bebê, enrole-o numa fralda de pano. Isso lhe trará conforto e segurança. Aos poucos, vá desenrolando até que ele se acostume.

6 – Fraldas

Troque as fraldas do seu bebê sempre que necessário. Isso diminui o risco de assaduras. Em meninas a higiene do bumbum deverá ser feita da frente para trás, evitando risco de infecções vaginais.

7 – Em que posição o recém-nascido deverá dormir?

De barriga para cima. SEMPRE. Não existe outra posição indicada. A Organização Mundial da Saúde e diversos outros estudos mostram que essa é a única posição indicada para bebês de até um ano. Além de permitir que o bebê respire melhor, a posição diminui o risco de engasgo, já que permite girar a cabeça para o lado em caso de vômito. O risco de morte súbita cai em 85% se o bebê dormir de barriga pra cima. Compartilhar a cama com os pais também aumenta significativamente o risco de morte súbita. Por isso, todo cuidado é pouco.

8 – Está muito frio, posso colocar cobertores no berço para aquecê-lo?

Não. O uso de mantas e cobertores na hora de dormir não é recomendado até 1 ano de idade. Isso porque aumenta consideravelmente o risco da morte súbita em bebês. O ideal, é que o bebê em si esteja bem agasalhado (sem exagero), de body de manga comprida, calça, meia, luvas e um macacão bem quentinho (de plush ou flanela de preferência). Esse “kit” deveria ser suficiente para manter o seu bebê bem quentinho. Fique atenta para não agasalhar a mais ou a menos. Coloque a mão no peito do bebê e veja se ele está suado, com brotoejas ou friozinho. Nunca meça a temperatura pelos pés ou pelas mãos.

Outro ponto importante é que dentro do berço deverá ter apenas o colchão e o bebê. Nada mais. Aqueles protetores de berço que pagamos uma fortuna, e são lindos, devem ir pro armário. Eles aumentam e muito o risco de morte súbita também.

9 – É normal fazer cocô muitas vezes?

Sim, o bebê só se alimenta de leite, então ele evacua a cada mamada. As fezes são pastosas, ou até líquidas. Não se preocupe, não é diarreia e sua cor é amarelo-ouro. Se prepare porque a probabilidade de você ser atacada por um jato de cocô é bem grande!!! Perdi as contas de quantas vezes isso aconteceu comigo, é muito engraçado, porque você não está esperando e de repente…. lá está você literalmente cagada!!! rs

10 – É preciso arrotar toda vez que mamar?

Sim. Durante a mamada o bebê pode engolir ar, por isso é importante que ele arrote após as mamadas. Coloque o bebê em posição vertical em seu colo e dê leves tapinhas em suas costas. Esse tempo pode levar de 15 a 20 minutos. Caso ele não arrote, pode deita-lo de barriga para cima. Talvez ele não tenha engolido ar enquanto estava mamando, mas o ritual de pega-lo e dar tapinhas em suas costas deverá acontecer sempre após cada mamada. “Veja o post sobre Como fazer o bebê arrotar”.

Aproveite quando seu marido estiver em casa e peça para que ele faça isso. Eu adorava quando meu marido colocava o Lorenzo para arrotar, principalmente nas madrugadas, eu voltava a dormir e ele trocava a fralda também. Era o tempo que eu tinha para descansar um pouco.

11 – Cólicas

Se o seu bebê está se contorcendo esticando as perninhas e dobrando as perninhas em direção a barriga e não está conseguindo dormir, provavelmente ele está com cólicas. Esse fantasma, que nos rondou até os 4 meses do Lorenzo tornou tudo mais difícil aqui em casa. Alguns médicos dizem que as cólicas se dão pela imaturidade do sistema digestivo do bebê, outros pela quantidade de ar engolido nas mamadas ou ainda por causa dos alimentos que a mãe passa a comer. Enfim, infelizmente não existe tratamento para esse tipo de problema, porém, o uso de medicamentos pode “aliviar” os sintomas. É claro que você não deve medicar seu bebê sem consultar o pediatra, mas aqui em casa eu usei muito Colic Calm. (Cólicas em bebês – Colic Calm).

Outra dica é fazer exercícios de bicicletinhas com as perninhas do bebê. Você poderá colocá-lo com a barriguinha encostada na sua, isso ajuda a aliviar as cólicas.

12 – Passeios

Você pode sair para passear com seu bebê desde que ele esteja seguro. Ou seja, se for de carro coloque-o no bebê conforto para que ele faça o trajeto em segurança. Evite locais fechados e aglomerados. Agasalhe-o bem, mas não coloque roupas demais. Se estiver ventando, é importante colocar uma touquinha.

13 – Não exagere nas visitas

Os recém-nascidos precisam de um ambiente calmo. Não deixe que as visitas abusem nos horários ou até mesmo em ficar pegando o bebê. Veja aqui as 12 Regras para Visitar um Recém-Nascido.

14 – Preciso acordá-lo para mamar?

Quem decide os horários de mamar são os bebês. Aqui em casa o Lorenzo sempre mamou de 3 em 3 horas, mas existe também a livre demanda. Juntos a mamãe e o bebê descobrirão o que é melhor para os dois.

15 –  Posso comer o que eu quiser?

Quando se está amamentando devemos seguir uma dieta saudável, rica em frutas, legumes, verduras e grãos integrais.  Procure ingerir mais água do que está acostumada, porque amamentar dá muita sede, sempre que estiver amamentando tenha ao lado uma garrafinha de água, isso ajuda na produção do leite também. Evite comer comida muito temperada, condimentada. Chocolate, café, feijão, erva-mate e outros alimentos do gênero também devem ser evitados. Evite também exagerar no leite de vaca, pois poderá induzir a uma intolerância a criança a proteína deste alimento.

Super Beijo!

0 Comentários
Saúde e Bem Estar
•  03 jun 2015  •

12 fatos sobre Mães que não amamentaram

Oi mamães! O post de hoje foi feito com muito carinho para as mães que tentaram de tudo para amamentar seus bebês e não conseguiram. Quero dizer que apesar de muitas mães (inclusive eu) obterem o sucesso nesta difícil tarefa, isso não te faz “diferente” ou “menos” mãe do que eu ou qualquer outra.

Quando estava grávida, nunca cheguei a pensar que não conseguiria amamentar o Lorenzo (sei que este é o pensamento de todas as mães). Li muito sobre o assunto, mas confesso que não me preparei para possíveis “imprevistos” como o de não conseguir amamentar. E graças a Deus correu tudo bem, meu leite desceu ainda na maternidade, o Lorenzo sabia sugar direitinho, só teve uma coisinha: eu não tinha bico, por isso tivemos que usar o bico de silicone (eu nem sabia que existia).

Ainda assim ouvi de algumas pessoas que não era para usar porque perderia o contato entre mãe e filho. Que??? Se eu, que tinha leite suficiente para amamentar o Lorenzo, já ouvi esse tipo de comentário inútil, imagina quem estava tentando de todas as formas amamentar e não estava conseguindo?

Ninguém está preparada para a real dificuldade da amamentação, temos acessos a informações, procuramos ajuda profissional, participamos de grupos fechados sobre amamentação, mas até aí tudo é teoria, difícil mesmo é a prática.

Sempre pensamos que, seja quais forem as dificuldades, iremos superá-las, mas não é bem assim.

Por isso, vamos às 12 verdades sobre mães que não amamentaram!

Maes que nao amamentaram 2

1 – Existiram muitas tentativas sem sucesso

Sim, e ninguém estava lá para ver o sofrimento daquela mãe. Ela tentou de várias formas, diversas vezes, porém sem sucesso. Às vezes fazer o máximo não é suficiente.

2 – Todas carregam culpa

Uma mãe que tentou de tudo para amamentar seu filho sempre carrega a culpa de que poderia ter feito mais e tentado mais. Mas a dor que ela sente, vai além da dor física de quando o bebê pega o peito para mamar.

3 – Amamentar é difícil

É difícil sim, dói, machuca, sangra. A gente se prepara, lê vários artigos sobre o assunto, mas ninguém está preparada para “não” amamentar. Uma mãe sabe que enfrentará todas as dificuldades que vierem, mas infelizmente algumas são mais difíceis que outras. E a falta de preparo (obvio, não imaginamos passar por isso) faz com que lidar com a situação se torne cada vez mais difícil.

4 – Toda mãe procura ajuda

Seja de um profissional, da mãe, de uma amiga, toda mãe ao passar por isso procuram ajuda para obter o sucesso na amamentação. São tentativas intermináveis seguidas de frustações, dores, choros, depressão e impotência.

5 – Mostra-se forte

Disfarçar os sentimentos, não admitir que existe um problema e que talvez não tenha solução na esperança de vencer.

6 – Todas tentam até o fim

Por mais angustiante que seja, você está vendo seu bebê perder peso, as coisas saindo do seu controle, visitas a especialistas acompanhadas de um “vamos tentar de tudo”, seu marido, sua mãe, sua família, torcendo para que tudo dê certo, e você ali, firme e forte (ou nem tanto) abraçando a ideia de não desistir e continuar nesta luta. Você é guerreira!

7 – Elas pensam em desistir…

Pensar em desistir nos enche de culpa, vergonha, frustração, sensação de fracasso. Mas se houver algo que ainda poderá ser feito, lá estamos nós, tentando.

8 – Elas choram

Talvez, seja mais fácil dizer sobre os momentos em que não se chorou. Chorar por cansaço, por medo, por frustação, pelo sonho de amamentar, pelo contato mãe e filho que não aconteceu.

9 – Elas não estão sozinhas

Dividir o problema com outras pessoas que passaram pela mesma situação de certa forma nos traz alivio. Saber que não estamos sozinhas, que isso acontece com outras pessoas, alivia a culpa de que somos responsáveis por esse problema. Você não é um caso à parte, e sua situação é normal, e mais aceitável do que parece.

10 – Existe outro tipo de relação mãe e filho

Pode ser que com tantas dificuldades e sofrimentos acabamos esquecendo de outras coisas tão importantes quanto amamentar. Seja no peito ou na mamadeira, a maneira como este ato é feito é o que vale. Olhar nos olhinhos, cantar, contar uma história. Além do leite, a sua presença e o calor do seu corpo é o que fará seu filho crescer e se desenvolver. Uma mamadeira, num aconchego de mãe, um colo quentinho e amoroso, vale muito mais que um peito frio de uma mãe impaciente.

11- Tenha em mente que você está fazendo tudo o que pode

Não se culpe, não viva sob pressão. Você sempre fará tudo o que pode e da melhor forma possível. Lembre-se que de que nenhuma mãe foi e nunca será perfeita, vivemos nos cobrando, fazemos o que achamos certo, e o certo para nós, pode não ser para outra pessoa.

12 – Vamos chamar de “desinformadas” as pessoas que criticam

Às vezes noto em alguns olhares de preconceito quando tiro a mamadeira da bolsa para oferecer para o Lorenzo. O Lorenzo parou de mamar no peito aos 8 meses e até os 6° mês o aleitamento materno foi exclusivo. Foi uma decisão minha, com apoio do meu marido. Agora imagina se eu também não tivesse conseguido amamentar e tivesse sofrido horrores? Como será que eu encararia um olhar deste tipo? As pessoas precisam tomar cuidado e medir as palavras ao fazer qualquer tipo de comentário ou lançar um olhar de reprovação. Se a mãe que não conseguiu amamentar estiver em depressão, uma atitude dessas pode acabar agravando a situação. Não se deixe ser julgada por pessoas que não conhecem sua história.

O amor de uma mãe, é muito maior do que alimentar, o amor, o afeto, o carinho, o companheirismo ultrapassa a nutrição!

Super beijo!

27 Comentários
Saúde e Bem Estar
Página 1 de 212