•  30 abr 2015  •

O que eu aprendi ao me tornar Mãe

Oi mamães! O post de hoje é um desabafo sobre minha vida de mãe! Ser mãe é maravilhoso né? Mas sabemos que nem tudo são flores!

Às vezes as coisas não são tão fáceis como imaginamos… Por que eu, como mãe, vivo me culpando e achando que sempre poderia ter feito melhor? No final do dia, já na hora do meu filho dormir, estou exausta, cheia de coisas para fazer, não vendo a hora dele ir dormir, porque só assim eu consigo sentar, descansar e fazer minhas coisas.

Ao deixá-lo no quarto, assim que fecho a porta e saio, uma sensação de missão cumprida e angústia me invadem. Já sinto saudades dele. Ao mesmo tempo me sinto culpada, pois sempre acho que poderia ter feito mais e melhor. O meu dia é dedicado somente à ele, não existem prioridades a não ser as dele. Então porque me sinto assim?

Será que não deveria me sentir cansada? É pecado reclamar querendo 1 dia de folga? Algumas horas a mais de sono? Por que me culpo em deixá-lo brincando sozinho por alguns minutos para sentar e descansar, mesmo estando ali ao lado dele? Ser mãe é nunca estar satisfeita com o que oferecemos, pois sempre queremos fazer mais e melhor. Já não vivemos mais para nós, porque tudo gira em função dos nossos filhos.

Programar uma viagem, um passeio, comprar algo, ir a um restaurante, nada mais é tão simples como era antes. As roupas já não ficam tão boas, o corpo muda, as atitudes mudam, a responsabilidade aumenta. Mas quem é que se lembra da vida antiga? Ser mãe nos muda de uma tal forma que, tudo o que havíamos vivido passa a não ter mais valor até a chegada deles.

Um filho nos torna mais fortes, alegra a casa, tem o poder de transformar nossas vidas. Une a família, nos ensina coisas que jamais imaginávamos aprender. Você já amou alguém tão intensamente, verdadeiramente como você ama seu filho? Quem é mãe tira da própria boca para dar aos filhos, se for preciso dá a vida também. Certa vez, conversando com meu marido eu disse a ele que se eu fosse parar e pensar friamente, eu não teria tido um filho. Veja bem, a partir do momento que engravidamos, tudo é motivo de preocupação. Você quer que esteja tudo bem com seu bebê e cada ultrassom te deixa nervosa enquanto o médico não diz que está tudo bem, que seu filho é perfeito. Quando eles nascem, ficamos em cima para sentir a respiração, se eles choram e não sabemos o que é, choramos junto com o coração apertado de dor (vivemos com o coração fora do peito, só de pensar que pode acontecer algo de ruim com eles). E quando crescerem? O mundo de hoje em dia não colabora né? Não estou nesta fase, mas sei muito bem o que irei passar. Sabe aquela frase que nossas mães diziam: “Quando você tiver um filho saberá o que estou dizendo!” Dá até um frio na barriga só de pensar em passar madrugadas acordada, preocupada porque eles estarão na balada, bebendo, dirigindo…

Não consigo imaginar minha vida sem ele, minhas manhãs sem aquele sorriso de Bom Dia! Os abraços carinhosos com um olhar inocente, o cheirinho que só ele tem, as gargalhadas quando brincamos juntos, as manhas pedindo carinho e colo de mãe, os olhos azuis que me fascinam e me encantam.

São tantos os sentimentos que um filho nos desperta, mas o melhor de todos é a transformação. Quando um filho nasce, nasce uma mãe, nos tornamos melhores como pessoas, passamos a dar valor aquilo que antes nem sabíamos que existia, passamos a ter mais compaixão pelas pessoas, nos colocamos sempre no lugar de outras mães, nosso coração cresce, há tanto amor dentro que transborda. O mundo fica mais colorido!

Ser mãe realmente é padecer no paraíso! Um paraíso cheio de altos e baixos, dificuldades e vitórias. Mas que adoramos não é mesmo?

Super Beijo!

3 Comentários
Gravidez
3 Comentários
  1. Ana Claudia Andrade   em 02/05/2015 - 12:10

    muito bom esses comentarios Josi…. reflete mto o que sinto também… grande abraço!!!!!

  2. Mariana   em 02/05/2015 - 23:06

    Aprendo cada dia com meu príncipe encantado Enzo. É muito bom ficar com ele , conto as horas pra busca lo na creche e ainda fico até tarde para brincar com ele e vou fazer minhas atividades de casa de madrugada e acordo cedo para trabalhar e bo ta lo na creche.
    Enzo foi meu presente de Deus.

  3. Crystiane   em 03/05/2015 - 11:40

    Essa culpa que a gente sente… Por que é mais fácil pensar no que deixamos de fazer ao invés de reconhecer o tanto de dedicação que temos com nossos pequenos todos os dias, as escolhas cuidadosas, o afeto abundante, as renúncias que fazemos em prol deles…? Nos primeiros meses me cobrava demais, ficava exausta muito mais pela pressão que me colocava de ter que fazer tudo perfeito do que o que o Miguel realmente demandava… Quando caiu a ficha de que isso não fazia sentido foi um alívio tão grande que até a minha relação com ele ficou mais gostosa, rs.
    Beijo :)

Deixe seu comentário